Projeto realiza pesquisas sobre o Rio São Francisco

Notícias | 05.11.14 | Nenhum Comentário

Projeto realiza pesquisas sobre o Rio São Francisco

Há um ano, ribeirinhos, assentados, irrigantes, professores e estudantes da região do Baixo São Francisco são contemplados com atividades de extensão e pesquisa realizadas pela Universidade Federal de Sergipe (UFS) por meio do Projeto Águas do São Francisco, que tem como objetivo promover a revitalização do Velho Chico.

O projeto é patrocinado pela PETROBRAS por meio do programa Petrobras Socioambiental, sendo realizado em parceria entre o Sergipe Parque Tecnológico (SergipeTec) e a  UFS através do Grupo de Pesquisa Acqua, formalizado junto ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) desde 2010.

Ligado ao Departamento de Engenharia Agronômica (DEA) e aos Programas de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA) e Recursos Hídricos (PROH) da UFS, o Grupo Acqua apresenta caráter multidisciplinar atuando em pesquisa, ensino e extensão na área de Recursos Hídricos.  

Foi a partir de uma ação de extensão do grupo que surgiu o Águas do São Francisco, idealizado pelo pesquisador e coordenador do Acqua, Antenor de Oliveira Aguiar Netto e seus orientandos.  Desde o inicio da ação, em julho de 2013, os trabalhos de pesquisas produzidas através do projeto irão resultar em pelo menos seis dissertações de mestrado e três teses de doutorado, além de atividades de extensão.  

“Ao longo de sua existência a UFS tem inúmeros trabalhos relacionados  aos recursos hídricos e ao rio São Francisco. Em relação a este importante rio para o povo nordestino e brasileiro, a Universidade vem atuando em atividades de ensino, pesquisa e extensão nas diversas áreas do conhecimento, a saber, Ciências Humanas, Ciências da Vida e Ciências Exatas”, ressalta Antenor Aguiar, coordenador técnico do projeto.

As atividades do projeto contam com a participação direta de estudantes e professores dos cursos de graduação em Engenharia Agronômica, Agrícola, Florestal, e Ambiental nas ações de reflorestamento, recuperação hídrica e educomunicação. Através das atividades acadêmicas, o projeto Águas do São Francisco produz conhecimento científico em defesa da recuperação de matas ciliares em duas bacias hidrográficas de afluentes do rio São Francisco: o rio Jacaré, no Assentamento Jacaré-Curituba, localizado entre os municípios de Canindé do São Francisco e Poço Redondo e o rio Betume, cuja as ações são desenvolvidas no Perímetro Irrigado Betume, entre os municípios de Neópolis, Ilha das Flores e Pacatuba.  

“O Rio São Francisco foi e continua sendo intensamente utilizado pela sociedade brasileira, nordestina e sergipana para diversos fins, entre os quais se destaca: geração de energia elétrica, abastecimento humano, irrigação, navegação, pesca, lazer, abastecimento rural. Assim, em toda sua bacia hidrográfica há problemas de desmatamento, uso inadequado do solo, despejo de dejetos líquidos industriais e domésticos, erosão, entre outros. No estado de Sergipe, a área mais degradada se situa entre as cidades de Propriá e Neopólis, bem como sua foz, em Brejo Grande”, destaca Antenor Aguiar.

O projeto atua na recuperação hidroambiental com a reversão de áreas degradadas por meio do plantio de 40 espécies florestais, para fins de restauração de áreas de preservação permanente (APP), de acordo com as necessidades ambientais e características fisionômicas predominantes da região. A previsão é recuperar um total de 50 hectares. 

“Mais de dez mil mudas de espécies florestais já foram plantadas em áreas de proteção permanente dos rios Jacaré, Betume e São Francisco”, informa o pesquisador.

Além de replantar as nascentes e matas ciliares, o projeto realiza  o  monitoramento qualiquantitativo dos corpos d’água nas bacias hidrográficas dos rios Jacaré, Betume e São Francisco. “Estudos da qualidade físico-química dos solos dos perímetros irrigados Jacaré-Corituba e Betume encontram-se em andamento, bem como o monitoramento de elementos meteorológicos”, destaca Antenor Aguiar.

As ações científicas são integradas a demandas locais através da elaboração e execução do Programa de Educação Ambiental com os agricultores assentados nos Perímetro Irrigados Jacaré-Curituba e Betume, além de professores e estudantes de escolas públicas dos municípios de Ilha das Flores, Neópolis, Pacatuba, Poço Redondo e Canindé do São Francisco.

“O objetivo desta atividade é promover aos participantes a compreensão e incorporação dos conhecimentos ambientais, sociais e econômicos referentes à água, os meios didáticos para disseminação desse conhecimento, bem como os instrumentos legais que favoreçam a gestão integrada dos recursos hídricos e do meio ambiente. Até o presente momento já foram treinados e certificados 667 pessoas, entre agricultores, estudantes e professores do baixo São Francisco”, explica.

O Águas do São Francisco também tem o apoio da Cooperativa Regional dos Assentados de Reforma Agrária do Sertão de Sergipe (COOPRASE), do Distrito de Irrigantes do Perímetro Betume (DIB) e da CODEVASF.  

“Considerando a sensibilidade da Petrobras, patrocinadora do projeto Águas do São Francisco, um quarto eixo foi estabelecido no projeto que é a gestão do conhecimento. Assim, estão sendo desenvolvidas 6 dissertações, e 3 teses de doutorado, envolvendo alunos e professores de dois cursos de pós-graduação da UFS: Recursos Hídricos; Desenvolvimento e Meio Ambiente. Outros trabalhos de pesquisa, também, estão sendo executados e os resultados serão compilados em um livro que será publicado em 2015”, diz Antenor Aguiar. 

Kátia Simone Azevedo

Assessoria de comunicação/ Águas do São Francisco

Deixe seu Comentário

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.