Baixa vazão do São Francisco afeta perímetros irrigados

Notícias | 09.02.13 | Nenhum Comentário

Baixa vazão do São Francisco afeta perímetros irrigados

Apesar de o rio São Francisco estar com o menor nível de vazão dos últimos 82 anos, de acordo com a Chesf, a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) não está medindo esforços para manter o funcionamento adequado dos perímetros irrigados em Sergipe.

No perímetro Propriá, o mais afetado deles, já foi realizado o desassoreamento do canal de adução das estações de bombeamento 01 e 04, o que permitiu colocar em operação mais um conjunto de eletrobomba. Segundo a Companhia Hidro Elétrica do São Francisco, o Reservatório de Sobradinho atingiu sua pior afluência em janeiro de 2013.

Em resposta a solicitação feita pela 4ª Superintendência Regional da Codevasf, a Chesf informou que Sobradinho atingiu um armazenamento de apenas 23,4% de seu volume útil. De acordo com a companhia, o atual período úmido da bacia do São Francisco se configura como de baixa hidraulicidade. A Codevasf, além de desenvolver uma estrutura provisória para fazer a água do rio chegar até os lotes irrigados próximos à foz, fez a recuperação de conjuntos de eletrobombas, revitalização de canais de irrigação e limpeza de drenos em seu cronograma anual de manutenção. Somente no perímetro Propriá, foram recuperados nos últimos três anos 7 km de canais.

O superintendente regional da Codevasf em Sergipe, Paulo Viana, acrescenta que as ações previstas para recuperação e modernização dos perímetros vão possibilitar condições de plantio e resultados ainda melhores no futuro. “A Codevasf tem uma série de investimentos para serem executados na infraestrutura de uso comum dos perímetros, que vai contribuir ainda mais para a geração de empregos no Baixo São Francisco e para a produção agrícola nos perímetros irrigados”, afirma Paulo Viana.

O trabalho de manutenção permanente dos perímetros irrigados possibilitou que os produtores elevassem seus índices de produtividade e colhessem, em vários lotes, 10 toneladas de arroz por hectare. Com o apoio da Codevasf, os agricultores dos projetos Propriá, Cotinguiba/Pindoba e Betume produziram, juntos, mais de 20 mil toneladas de arroz, que representam hoje praticamente 80% de toda a produção desse grão em Sergipe em 2012, segundo dados do IBGE, foram colhidas 26,6 mil toneladas de arroz no estado.

O gerente regional de Irrigação da Codevasf em Sergipe, Ricardo Martins, explicou que as dificuldades enfrentadas por causa da vazão do rio estão sendo contornadas com ações constantes empreendidas pela companhia. “A Codevasf não está medindo esforços para melhorar a situação dos agricultores. Tanto que quem investiu na cultura do arroz teve ótimos resultados em 2012, tanto por uma questão dos preços praticados no mercado como também pelos equipamentos e assistência técnica fornecidos pela empresa”, declara.

Somado a isso, o programa Mais Irrigação, do Governo Federal, destinou R$ 103 milhões para serem investidos nos perímetros Propriá, Cotinguiba/Pindoba e Betume. Até o final do primeiro semestre, a Codevasf vai licitar ações na ordem de R$ 15 milhões. Os recursos serão aplicados na aquisição de 14 eletrobombas, recuperação de 30 quilômetros de canais, recomposição do maciço do dique de proteção interna do perímetro Propriá, reabilitação e modernização dos sistemas de bombeamentos e adutoras fixas dos perímetros, além de adaptação do sistema de bombeamento de Propriá, melhorando a qualidade da água.

FONTE : INFONET com informações da CODEVASF

Deixe seu Comentário

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.