Recursos Hídricos - Grupo Acqua

Notícias | 19.01.12 | 1 Comentário

Rede hidrológica vai monitorar irrigação de cana-de-açúcar

A medida visa criar estações de monitoramento de água nas regiões onde o plantio de cana-de-açúcar está estabelecido e onde há potencial para a expansão do setor.

Representantes da Secretaria de Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh) e do Sindicato da Indústria de Fabricação de Álcool do Estado de Goiás (Sifaeg) discutiram sobre a implementação da rede de monitoramento hidrológico para o setor.

O superintendente de Recursos Hídricos da Semarh, Augusto de Araújo Almeida Netto ,explica que o setor canavieiro é um dos que mais utilizam água para irrigação em Goiás. “Montar a rede de monitoramento em conjunto com a Sifaeg será eficaz na obtenção de dados sobre o volume hidrológico,  maior controle sobre o uso deste recurso e também vai resultar em maior agilidade na análise de outorga para o uso dos recursos hídricos. Com isto, o setor sucroalcooleiro poderá expandir com segurança de que haverá água”, explica.

O objetivo é implantar 22 estações na primeira etapa. Com base em dados cartográficos, as regiões Sul e Sudoeste do Estado devem receber o maior número de estações. Com o uso da telemetria, as informações sobre o volume de água disponível para irrigação serão oferecidas em tempo real, além de possibilitar uma previsão mais precisa de aumento ou redução no volume das águas. “Em época de seca, poderemos regular o uso para cada setor da sociedade que precisa de água, seja ela a agricultura, indústria ou uso doméstico. O objetivo é que haja o uso racional destes recursos, atendendo a sociedade e preservando o meio ambiente”, complementa Augusto.

Outorga
Outra novidade para o controle do uso da água que vai beneficiar tanto o meio ambiente quanto os sucroalcooleiros é a outorga de água em trechos de um manancial. Atualmente, a outorga é concedida apenas em pontos de captação de água. Conforme a plantação se estende ao longo de um manancial, o agricultor necessita ampliar o número de pontos de captação de água, o que gera vários pedidos de outorga junto à Semarh.

Com a novidade, a outorga poderá ser concedida em um trecho do leito do rio. Para Augusto Almeida, isto vai gerar maior controle sobre o volume da vazão de água a ser retirada do manancial por uma mesma propriedade, visto que todos os dados sobre a retirada de água estarão em um mesmo processo, além de representar um significativo desentrave burocrático.

Fonte : Governo de Goiás – http://www.noticias.goias.gov.br/

1 Comentário

Goiás tem modificado o sistema de gestão do uso dos recursos hídricos.
O Setor sucroalcooleiro necessita melhorar a sua participação na discussão desta gestão, não apenas pela sua importância na atividade agrícola, mas também para ampliação da produção de açúcar e álcool através da irrigação não apenas de salvamento, como também a irrigação plena.

Vitor Hugo Antunes

19/01/2012

Deixe seu Comentário

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.