Irrigação

Notícias | 09.11.11 | Nenhum Comentário

Água sob medida na agricultura

Professor da Universidade de Idaho (EUA), Richard Allen é um dos maiores especialistas em evapotranspiração, a perda de água pela evaporação do solo e transpiração das plantas. Para mensurar esse fenômeno, ele desenvolveu o método Metric, que faz uso de imagens de satélite.

Allen, que é autor do  Manual 56 da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) sobre demanda hídrica e culturas agrícolas, visitou a Faculdade de Engenharia, Campus de Ilha Solteira. Nesta entrevista, ele discute a importância de se medir a evapotranspiração e incrementar a irrigação agrícola.  (Fernando Braz Tangerino Hernandez)

Jornal Unesp: Muitos agricultores acreditam que basta regar a plantação para obter uma boa colheita. O que há de errado nessa ideia?
Richard Allen: Isso depende da medida em que o solo é “molhado”. Alguns sistemas de irrigação por gotejamento bem-sucedidos funcionam todos os dias ou até várias vezes por dia, com pequenas doses de água por vez. O importante é que um volume suficiente de água penetre no solo para repor a evaporação e a transpiração das plantas.

JU: Como a evapotranspiração pode ser medida?
Allen: O índice de evapotranspiração (ET) é determinado pela  quantidade de “energia” disponível no ambiente para converter água em vapor. Usamos equações ou modelos matemáticos para estimar a ET, a partir de dados climáticos e da descrição da vegetação.

JU: Você pode mencionar as opções para medir a evapotranspiração?
Allen: Os métodos que podem ser usados são: a) Eddy covariance, no qual um anemômetro sônico tridimensional e um sensor infravermelho de resposta rápida medem a variação de calor e vapor; b) Sistemas de Razão de Bowen, que medem a radiação do sol e do céu e o fluxo de calor na terra; c) Lisímetros, que são grandes tanques enterrados no chão, pesados a certos intervalos; d) Sensoriamento remoto por satélite (o trabalho que eu faço), que recorre ao que nós chamamos de “balanço de energia”. Estimamos a ET avaliando a radiação do céu e do sol, depois o calor que penetrou na terra e, em seguida, o calor transferido dela para o ar; e) Sapflow, em que o movimento da água no tronco da árvore é medido para estimar o total de transpiração.

JU: O método Metric tem sido usado nos EUA para resolver conflitos sobre água entre os Estados. Ele poderia ser usado no Brasil para analisar o assoreamento de lagos e rios?
Allen: O Metric usa o recurso do “balanço de energia” para estimar a  evapotranspiração. Não pretende avaliar problemas de assoreamento. No entanto, as imagens de satélite usadas nesse método podem servir para estimar a turbidez e os sedimentos na água.

JU: Como o senhor vê o desenvolvimento da irrigação no Brasil?
Allen: O Brasil pode tirar vantagem da irrigação para aumentar a produção das lavouras onde há longos períodos secos ao longo do ano, ou falta de água por anos de baixo nível de chuvas. O país deveria evitar os erros dos Estados Unidos e outros lugares, em que a irrigação se expandiu em bacias hidrográficas com pouca água excedente. Isso causou o declínio dos lençóis freáticos e provocou muita “tensão” sobre a água de superfície.

Deixe seu Comentário

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.